Você não consegue falar sobre dinheiro? Saiba porque o tema é tabu

Veja como a educação financeira pode ajudar a romper essa barreira

Há tempos, a sociedade vem desenvolvendo relações emocionais com o dinheiro e, graças a isso, cada vez mais pessoas se mostram ancoradas aos seus bens e se limitam a não falar sobre os males que constantemente os prendem em suas próprias bolhas de consumo.

 

Para se ter ideia, um estudo realizado nos Estados Unidos, pelo banco Wells Fargo, mostrou que falar sobre dinheiro é mais difícil que falar sobre sexo, morte, religião e política.

 

No Brasil, as pessoas associam finanças pessoais a sentimentos ruins e perpetuam tabu sobre dinheiro. De acordo com uma ampla pesquisa realizada pelo Itaú Unibanco, cerca de 97% dos brasileiros afirmaram ter dificuldade em lidar com o próprio dinheiro e, na intenção de evitar sentimentos tristes, quase metade da população costuma evitar pensamentos associados às próprias finanças.

 

Origem do problema

Superstições e crenças populares propagam a ideia de que: se você disser que ganha dinheiro a mais do que uma parte de conhecidos, inveja e “mau-olhado” serão atraídos. Agora, se você disser que está ganhando pouco, se tornará motivo de vergonha e chacota.

Somadas, essas duas idéias fazem com que a afinidade entre amigos, familiares e até mesmo casais diminua.

 

Como reverter a situação

Desde cedo, é importante conversar sobre educação financeira com os pequeninos que representam a nova geração.

A educação financeira é uma área que cruza as fronteiras das diversas disciplinas e, em seu propósito, irá auxiliar os indivíduos nas escolhas de seus rendimentos, sonhos de consumo e decisões determinísticas. 

Com isso, se tornará possível que as gerações futuras tomem decisões assertivas em suas carreiras e possam moldar um mundo onde conversar sobre dinheiro tenha, unicamente, o propósito de evoluir o pensamento crítico e buscar melhorias na sociedade como um todo.